CaraguatatubaLITORAL NORTE

Presidente do Convention & Bureau SP fala sobre importância da hospitalidade no mundo de tempo livre

“No começo era tudo junto e se separou. Hoje está tudo junto novamente”. Em síntese, esse foi o recado dado por Toni Sandro, presidente executivo do São Paulo Conventions & Visitors Bureaus,aos participantes do 1º Encontro do Circuito Litoral Norte, realizado nesta quinta-feira, em São Sebastião.

Isso significa que hoje o mundo está conectado, com mais tempo ‘livre’ e isso é bom para o turismo porque as pessoas podem trabalhar de onde estiver e ainda ter tempo para aproveitar o local.

“O que vai diferenciar o turismo de uma região, de uma localidade é a hospitalidade, como o turista é recebido e como ele ‘vende’ o local. Se for positivo ele fala para cinco, seis pessoas, se o atendimento for ruim, a divulgação negativa se espalha”, orientou.

Segundo ele, as pessoas querem ter a sensação de que possam falar com alguma pessoa sobre aquilo que estão vivendo. Por isso, o atendimento tem de começar com o taxista falando bem da cidade, com o balconista, o recepcionista dando atenção. “Muitas vezes, essas pessoas têm mais contato com aquele visitante que o empresário e a gente não fala para ele a importância de ser o embaixador da cidade, da relação do visitante com a nossa casa”.

Toni Sando foi mais fundo e destacou que “tempo livre é dinheiro e dinheiro gera riqueza, transforma destino com vocação em receber melhor o visitante. E cada vez mais a gente tem tempo livre, embora seja incoerente” Para ele, “a conexão faz com que estejamos aqui, possamos ir à praia, despachar por email, por telefone e ao mesmo tempo aproveitar e contemplar a beleza, a natureza do local”.

Traduzindo, continuou ele, “o tempo livre acaba exponenciando a participação das pessoas sobre o que o destino possa oferecer a ele”. Um exemplo é que quem vai a um evento sempre dá uma paradinha na cidade, dorme, come, compra e passeia. “Essa é a grande pegada e com material e divulgação tudo de pode ser oferecido, sem ele precisar perguntar o que pode ser feito”.

Comment here